ALAIDE, UM CORAÇÃO POETA...
SENTIMENTOS e VERSOS = POESIA
Capa Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
    Neste primeiro texto, pretendo contar para vocês, sobre as origens  da Literatura de Cordel. E, para começar bem, vamos ler algumas estrofes dos Cordéis do maior precursor dessa rica Literatura:

Minha alma triste suspira
em deslumbrante desejo,
ausente da minha terra,
há tempos que não a vejo.
são suspiros arrancados
do peito de um sertanejo.

Por que existem uns felizes
E outros que sofrem tanto?
Nascemos do mesmo jeito,
Moramos no mesmo canto.
Quem foi temperar o choro
E acabou salgando o pranto?
 
Leandro Gomes de Barros   
         

    Gostaram? Leandro Gomes de Barros  é o pai do Cordel. Depois eu vou criar um texto sobre esse poeta brasileiro .  Ele pesquisou e se dedicou a organizar escritos sobre a Literatura de Cordel. 
             

    Vocês já tiveram a oportunidade, na época de Infante, de apreciarem nas feiras livres e de artesanatos, os violeiros cantadores, trovadores e repentistas, fazendo cantorias?  E poetas declamando e vendendo uns pequenos livros coloridos?  Tomara que sim, pois esse é um momento ímpar e tão marcante, que ficou gravado em minha memória. Foi assim que eu tive os primeiros contatos com o mundo da Trova, do Repente e do Cordel! Lembro-me que ficava parada, maravilhada ao presenciar aquelas apresentações. Nesses momentos, também, eu "aporrinhava" o meu pai, para que ele comprasse os livrinhos coloridos que estavam afixados com pregadores, em cordões esticados e amarrados onde desse para amarrar as suas extremidades. É daí que vem a origem do nome Cordel: livretos pendurados em cordões (barbantes). Quanto a esses artistas talentosos que eu os assistia no Mercado Central de Aracaju, eles são os sucessores dos poetas que, desde a Idade Média, criavam poemas (de improviso) e os transmitiam de forma oral e cantada.  Essas são as origens do Cordel.   
     

    Tenho certeza que vocês estão me perguntando qual a diferença entre o Poeta Trovador, Poeta Repentista e poeta Cordelista. Então, vou explicar:
- Poeta Trovador: aquele que cria um tipo de poema chamado ¨Trova¨.
- Poeta Repentista: aquele que cria o poema de forma improvisada ( de repente) e o transmite de forma oral. Então, por ser um texto feito de improviso, não acontece a transcrição do poema,  para a forma escrita.
- Poeta Cordelista: este, cria o texto e o transcreve para o papel.
(É bom frisar que, todos os três criam o texto, obedecendo as regras e características criadas e estabelecidas pelos precursores de cada um tipo de poema. Pois é! Eis aí, o que os torna diferentes!)


    Perceberam que o Cordel não é o nome de uma novela ou nem mesmo, o nome de uma pessoa? (Hem, Sr. Pedro Amaro do Nascimento e Izabel Nascimento?).


    Garanto a vocês que o poema escrito em forma de Cordel é tão belo e tão bem estruturado como o é, o Soneto que amamos tanto, também! Vou provar que isso é verdade!  Para tanto, no próximo texto, explicarei para vocês  sobre as regras e características da Literatura de Cordel. Até lá!
ALAÍDE SOUZA COSTA
Enviado por ALAÍDE SOUZA COSTA em 04/03/2021
Alterado em 03/04/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários